Jan/Fev - 2020 - nº 214

Boas perspectivas para a economia em 2020

Mercado prevê maior crescimento do PIB e queda na expectativa para a inflação.

O ano de 2020 começou com boas notícias para a economia brasileira. De acordo com o Boletim Focus – divulgado no dia 20 de janeiro, pelo Banco Central –, a expectativa para a alta do IPCA este ano caiu pela terceira semana seguida. Outra boa notícia foi a previsão de avanço do Produto Interno Bruto (PIB), que deve chegar a 2,31%.

Segundo a pesquisa Focus, a expectativa para a alta do IPCA em 2020 caiu 0,02 ponto percentual, chegando a 3,56%. Já para 2021, permaneceu em um avanço de 3,75%. Só para se ter uma ideia, o centro da meta oficial deste ano é de 4% e, de 2021, 3,75%; sem esquecer da margem de tolerância para ambos de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

A atualização nos números ocorre dentro de uma perspectiva mais fraca para a alta dos preços administrados em 2020. Os economistas consultados na pesquisa passaram a ver inflação dos administrados de 3,77%, ante os 3,81% verificados anteriormente.

AVANÇO DO PIB

Ao mesmo tempo em que a expectativa para a alta do IPCA em 2020 foi reduzida, a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano foi elevada. A pesquisa mostra que o número chegou a 2,31%, ante os 2,30% da semana anterior. Para 2021, a estimativa permaneceu em 2,5%.

Mas o que de fato contribuiu para o aumento desses índices? Segundo a pesquisa, houve uma melhora do cenário para a produção industrial, que deve crescer 2,19% neste ano – contra 2,10% previstos anteriormente. Contudo, para 2021, a perspectiva de expansão foi reduzida em 0,05 ponto, a 2,45%.

Outro importante dado mostrado pela pesquisa (que contou com a participação de 100 economistas) diz respeito à taxa básica de juros, que terminará este ano a 4,5%, e o próximo a 6,25%; sem alterações.

A Selic terminou 2019 com uma nova mínima histórica, em 4,5%, depois de novo corte percentual em dezembro, de 0,5 ponto. Nesse contexto, o BC indicou cautela em relação aos juros daqui para frente, em meio a uma retomada econômica com mais ímpeto.

Um dos grupos que mais acertam as previsões, o TOP-5, continua vendo a Selic a 4,25% neste ano e a 6,25% em 2021.

Fonte: https://bit.ly/38c22VI

img4


 

Sindilav Notícias 214


edições anteriores »